Dúvidas de Sexo

 
 
Parceiros NJ
 
Especial NippoJovem
Moda de Rua
Harajukus são referência absoluta de moda

Reportagem: Catarina Eiko/NJ | Fotos: Divulgação e Catarina Eiko

<clique na foto para ampliar>

Exagero? No primeiro momento essa é a impressão. Mas, não. É apenas uma tentativa desesperada de alguns jovens japoneses, entre 13 e 19 anos, de individualmente, se diferenciarem.

Não é um movimento, pois nunca teve uma ideologia. São apenas adolescentes que começaram a se vestir de forma diferente, com looks mais over (influenciados pelas culturas cyber, punk, e de anime), muita sobreposição de peças, roupas e acessórios adquiridos em brechós e elementos da cultura japonesa. Essa era a "paixão" dos Harajukus ou Fruits, como também ficaram conhecidos: se montar para atingir um alto grau de diferenciação.

"A sociedade japonesa é planificada, todo mundo é igual. A paixão por estar montado, por usar uma roupa diferente, representa uma identificação humana. Foi a forma que eles encontraram de se diferenciar uns dos outros. Eles querem simplesmente serem únicos", afirma Luis Fernando dos Santos, um dos organizadores da Exposição Fruits do Resfest Brasil, que apresentou fotos do fotógrafo japonês Shoichi Aoki, idealizador da revista Fruits e que sempre esteve antenado à cultura de rua.

Exposição na Cinemateca Brasileira reúne fotos de Shoichi Aoki,
tiradas entre 1997 e 2003

Tudo começou em Harajuku, como ficou conhecida uma popular área ao redor da Estação Harajuku, do Município de Shibuya, em Tóquio, no Japão. Foi nascendo aos poucos, sem nada planejado. Aparecia um aqui, outro ali e, a cidade foi ficando cada vez mais multifacetada, de uma forma totalmente espontânea.

Harajuku, então, ficou conhecida como a "maior passarela do mundo a céu aberto", sendo assim, facilmente associada à capital japonesa. "Os Fruits são referência absoluta de moda. Todo mundo que lida, que trabalha com isso, conhece. É um laboratório ao ar livre de uma moda independente e única", revela Luis.

 
Opiniões
"Para mim, no Japão, as pessoas são muito mais extremistas no jeito de se vestir. Tem algumas coisas que eu acho interessante para colocar, mas inteiro, tematicamente, não iria conseguir. É uma moda mais para se inspirar, porque eles apelam para as coisas mais exageradas. Talvez porque todo mundo é parecido fisicamente e vai de você se destacar no meio de uma sociedade, para chamar a atenção. No Brasil, acho que essa moda não pegaria, precisaria de uma aceitação que levaria anos, para o país se desenvolver, ter uma consciência de que a moda está aberta".
Débora Uemura, 22 anos, estudante de Publicidade.

Deborah e Gustavo em visita à Exposição Fruits
"Faz um tempo que eu conheço esse estilo, e acho bem interessante, diferente. Eu gosto e acho criativíssimo. Eu nunca fui para o Japão, mas a visão que eu tenho é de que lá é uma coisa muito regrada, muito organizada. Eu acho que esse estilo de moda é uma forma de expressão, é um fenômeno social. Aqui no Brasil, com certeza essa moda não daria certo. Aqui temos uma diversidade cultural muito grande e não precisamos nos expressar em roupas. Temos asiáticos, negro, índio, e o povo já carrega essa diversidade. Já o japonês, que todo mundo fala que é igual, utiliza as roupas como forma de se diferenciar".
Gustavo Mitsuraru Matsui, 22 anos, estudante de Design e Publicidade.
 
Tribos e estilos

Visual Band: Esse gênero é o que possui mais adeptos, que buscam imitar músicos de bandas famosas e a maioria têm inspiração gótica e macabra. Utilizam pó de arroz para deixar as faces embranquecidas e depois pintam lágrimas negras. Já os cabelos devem ser coloridos ou desfiados, as roupas negras ou vermelhas e o salto plataforma.

Gyaru (gíria japonesa para "girl") e Yamamba (bruxa da montanha): Estas são alas femininas, que gostam de ousar do universo lúdico e sensual. Elas buscam imitar o estilo "Barbie" de se vestir. São as loiras de olhos puxados, com peles bronzeadas, vestidos curtos e muitos acessórios com maçãs de plástico e imagens da Hello Kitty.

Surfers: Versão masculina do Gyaru/Yamamba. A inspiração deles são os surfistas californianos, de cabelos compridos e músculos de academia. O lema é: "ver e ser visto".

Kireime: Garotas comportadas, que utilizam maquiagens em tons pastel e adoram grifes importadas e caras, como Gucci e Louis Vuitton, por exemplo.

Lolitas: Estas são as bonecas de plástico. São aquelas japonesas pequenininhas, que usam vestidos de modelagem vintage, com meias até o joelho, lencinhos nos cabelos como maria-chiquinha e ursinhos de pelúcia nos braços.

Ura-hara (abreviação de Ura-Harajuku): composta por pessoas mais velhas, acima dos 17 anos, tanto do sexo feminino como masculino. Geralmente estudam arte e design, trabalham como cabeleireiros, maquiadores, vendedores de lojas descoladas. Se inspiram nos punks, ravers, indies, skatistas e artistas plásticos.

<clique na foto para ampliar>


 
Arquivo

De bicicleta pelo Japão

Ayumi Hamasaki inspira o novo visual das garotas japonesas

Dragon Ball Evolution

Cosplay, uma arte a parte

Baladas Japas

Vida de DJ

Jovens Japoneses

Gothic Lolita

Beisebol - Jogos da Amizade entre Brasil e Japão

Confraternização nikkei no esporte

J-music conquista jovens no Brasil

Daniel Uemura faz sucesso em novela teen

Jovem apresentador nikkei é destaque
Cultura pop japonesa
Trabalho voluntário
Ecologia: é preciso agir já
Tunning: trabalho artístico e hobby
Em busca do sucesso
Japonês básico
Animês e mangás
Street Dance
Ultra Seven – 40 anos
Mina e Lisa - Novela na internet
Dança do Ventre
The Checkers
Kung Fu
Mensageiros da Paz
Shodô
Soroban, calculadora japonesa
Oshibana
Ikebana
O Japão sob novos olhares
Harajuku
Taikô
Matsuri Dance
Sobrenomes japoneses
Cerimônia do chá
  © Copyright 2001 - 2013 Portal NippoBrasil - Todos os direitos reservados